Noticias

Área educativa - Observação de Supercélulas em Portugal continental

Página: 1 | 2 | 3 | 4 | 5

Definição de Supercélula

O conceito inerente a este tipo de organização convectiva não é universal, conduzindo a diversas definições que é possível encontrar na literatura especializada. Adopta-se, aqui, a definição de Doswell (1996) – reconhecido especialista norte-americano na área - de acordo com a qual uma supercélula (SC) é uma célula convectiva que exibe um mesociclone persistente (durante, pelo menos, 1 hora) e profundo (que envolva pelo menos 1/3 da extensão vertical da célula convectiva). O mesociclone é um vórtice de eixo vertical, embebido na estrutura convectiva e que evidencía rotação geralmente ciclónica (embora não obrigatoriamente), com uma escala horizontal de 2 a 10 km de diâmetro. A figura seguinte mostra o diagrama correspondente a uma SC em corte vertical.

radar supercelula

Diagrama de supercélula em corte (do tipo RHI), evidenciando a distribuição da reflectividade radar (dBZ) e a presença de um mesociclone (circulos com setas, a vermelho) (adaptado de Lemon, 1977).

Em imagens do tipo PPI ou CAPPI é frequente identificar-se uma assinatura em forma de rim, em níveis baixos, com um padrão semelhante ao revelado pela figura seguinte.

radar ppi

Diagrama esquemático (imagem PPI) de supercélula, em plano horizontal, a 1000m de altitude, mostrando a reflectividade radar (dBZ). Assinatura BWER (Bounded Weak Echo Region), reveladora da presença de um mesociclone (circulo com setas, a cinzento) e updraft, dão à SC a característica forma de rim (adaptado de Lemon, 1977).

Embora os mesociclones constituam estruturas precurssoras de tornados e estejam relacionados com a sua ocorrência, foi verificado nos EUA (2005, Trapp. R. et al), que somente uma fracção dos mesociclones detectados estiveram realmente associados a tornados. Verificou-se, na práctica, que apenas cerca de ¼ das SC observadas produziu pelo menos um tornado, em alguma fase do seu ciclo de vida.

No entanto, as SC - mesmo as que não produzem tornados -, têm sempre potencial para gerar vento muito intenso, granizo e chuva forte, o que justifica a sua detecção quer para fins de diagnóstico, quer para fins de previsão a muito curto prazo.